Senac RJ promove encontro do Comitê Técnico Setorial para discutir desafios e demandas do setor de Moda no Rio de Janeiro

Empresários, estilistas, especialistas e instituições do setor participaram do evento que norteará o portfólio do Senac RJ e as ações para a educação profissional

Moda
Senac RJ promove encontro do Comitê Técnico Setorial para discutir desafios e demandas do setor de Moda no Rio de Janeiro
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Cenário de praia, sol e estilo de vida cosmopolita, o Rio de Janeiro é referência nacional quando o assunto é moda. Mas, além de tendência, a moda é uma força econômica no território fluminense, gerando mais de 164 mil postos de trabalho, com cerca de 41 mil estabelecimentos comerciais e resultando em R$ 1 bilhão de arrecadação de ICMS. Antenado com as tendências e o movimento do mercado de trabalho, o Senac RJ, referência em educação profissional, leva a sério a missão de formar profissionais qualificados de acordo com as demandas desse mercado e, assim, não poderia deixar de estar sempre atento aos rumos do setor da Moda. Por essa razão, a instituição promoveu nesta quinta-feira (7/6), o Comitê Técnico Setorial dedicado a discutir exclusivamente o setor de Moda no Estado, identificar desafios e tendências de mercado, capacitar profissionais ainda mais alinhados às demandas – atuais e futuras – do segmento.

Como resultado prático, o Senac RJ pretende, dessa forma, aprimorar seu portfólio de cursos alinhado às necessidades do mercado. O Comitê, que teve a participação de empresários, estilistas, profissionais de moda e representantes da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), vai agora se replicar na realização de comitês regionais semelhantes nas regiões fluminenses onde o setor de Moda tem força expressiva na economia.

Na pauta do evento de Moda, que teve debates e encontros técnicos, uma mescla de temas de interesse do setor: sustentabilidade do negócio, novos arranjos produtivos, inovação e tecnologia, e-commerce, diálogo com o consumidor, marketing digital, entre outros. O Comitê Técnico Setorial foi o segundo realizado pelo Senac RJ para identificar as demandas de mercado. O primeiro, em março, se debruçou sobre as questões ligadas ao Turismo.

Ao abrir o encontro, a Diretora Regional do Senac RJ, Ana Claudia Martins, falou sobre importância desse trabalho em conjunto com empresários, especialistas e instituições ligadas ao segmento da Moda: “Para termos profissionais adequados às empresas, precisamos trazer para este encontro as pessoas certas. Não podemos fazer isso sozinhos. Trata-se de um trabalho que terá continuidade porque ele não termina aqui. Quando a gente quer que algo aconteça, tudo é possível. A equipe do Senac RJ está aberta para que possamos construir juntos um Senac para atender melhor o Estado do Rio de Janeiro.” A Diretora destacou os desdobramentos do Comitê: “É essencial ouvir os empresários, o trade, os pesquisadores, os alunos e todas as instituições que envolvem e trabalham com moda. Vamos sair com um mapeamento para desdobramentos futuros. Trabalharemos com um portfólio futuro mais assertivo, para fazermos entregas mais assertivas às demandas do mercado”, finalizou.

Com a palestra “Novos modelos de negócio e tendências no mercado digital aplicados à moda” o  empresário Roberto Meireles, sócio-diretor do Instituto Rio Moda e Consultor da Fundação Getulio Vargas (FGV), abriu o encontro abordando novos modelos de negócios, vocações, globalização e como as novas tecnologias interferem nos modelos atuais de negócios, as dificuldades enfrentadas pelo setor e a relevância do planejamento: “Quando a gente se gerencia, se planeja, isso ajuda a fazermos mudanças de uma forma mais natural. Planejar é tudo. Cria antecipação para estar mais preparado para momentos difíceis”.

Entre os assuntos em pauta, a formação de pessoas na cadeia profissional da Moda mereceu destaque, especialmente sobre a carreira de costureiras, ofício que, segundo os participantes, apresenta carência de mão de obra. Atualmente, relataram eles, há muita dificuldade, no Estado, de se encontrar pessoas capacitadas para as demandas de mercado, pois a geração mais jovem não tem interesse em seguir essa profissão.

Presidente do Fórum da Moda e Diretor da Firjan, Roberto Leverone, sugeriu a criação de um comitê de desenvolvimento da Moda no Rio de Janeiro, em um esforço para se recuperar a cadeia produtiva do setor. Segundo ele, esse comitê também teria a participação do Governo do Estado.

Além das dores do setor e os caminhos futuros do mundo da Moda, o encontro trouxe ainda cases de sucesso, como o exemplo do empresário Claudio Silveira, idealizador e diretor do Dragão Fashion Brasil, evento de moda de sucesso, já na 19ª edição, no Ceará. A iniciativa incentiva, por meio de concursos, a criatividade e a originalidade dos jovens que cursam universidades de moda.

Durante a tarde, estilistas e empresários se reuniram em mesas de discussão para conhecer melhor a atuação do Senac RJ e o perfil atual de portfólio de cursos ligados aos segmentos. Durante esse momento, os participantes puderam dar sugestões para enriquecer a formação dos profissionais.

Entusiasmada com a união de forças para impulsionar o desenvolvimento do setor da Moda no Estado, Wilma Freitas, Diretora de Educação Profissional do Senac RJ, deu uma notícia alentadora para os participantes: a realização de um tour de force envolvendo instituições como Sesc, Senac, Firjan, Sesi, Fecomércio e Senai: “Teremos uma primeira reunião para a construção de um projeto para o Estado do Rio, quando será feito um mapeamento das vocações. A proposta é fazer um programa conjunto para promover o desenvolvimento do Estado em diversos segmentos, sendo Moda um deles. Neste mundo que gira com toda a fluidez, ou a gente se une ou nada vai acontecer. Hoje, não temos mais setorização em casas de formação que trabalham para o desenvolvimento econômico-social do Estado, não podemos nos permitir ficar com questões à espera de divisão: é da indústria, é do comércio…O que a gente precisa é botar a mão na massa”, afirmou ela.

Você também poderá gostar