Trabalhada na resiliência

Conheça a história inspiradora da Camila e confira as dicas para empreender.

Mercado de Trabalho
Trabalhada na resiliência 1

Arregaçar as mangas para ajudar nunca foi problema para a Camila. Desde os 17 anos, ela dava um help nos salgados que a mãe vendia, uma mão na secretaria da igreja, uma força no restaurante da prima e, assim, descobriu a administração. Mas quando conseguiu seu primeiro emprego de verdade na área, ficou bem perdida e insegura por não ter conhecimento. Saiu do job e jurou que nunca mais entraria em outro!

Reatando os laços com o trabalho

Saber o que não se quer já é alguma coisa. Principalmente se você, como a Camila, puder resgatar lá da infância uma coisa que amava fazer. No caso dela, era o artesanato. Foi nisso que ela focou para continuar dando seus helps. Era enfeite pra festa da família, lembrancinhas para a igreja, tinha de tudo! Mas quase nunca tinha remuneração envolvida. A grana estava curta e a pressão em casa era grande. A mãe insistia pra ela fazer um curso, mas ela queria mesmo era achar um rumo. Inspirada pela gravidez da irmã, começou a fazer lacinhos de cabelo. E não é que todo mundo amou?

Uma encomenda feita pela tia, puxou outra de mais cinco lacinhos e mais outras. Camila se animou! A Pequeno Amor Laços ganhou nome e Instagram, as sobrinhas viraram as modelos, mas, cinco meses depois, ela sentia falta de conhecimento pra fazer o negócio decolar.

Mudando o curso da história

“Faz um curso no Senac, menina!” A pressão da mãe continuava e ela resolveu ceder. O curso Técnico em Administração abriu a cabeça da Camila e trouxe vários insights. O mix de produtos cresceu, os pedidos começaram a aumentar e….veio a pandemia!

Empolgada com tudo que aprendia no curso, Camila desenvolveu outro olhar para a crise. Aprendeu a costurar na marra e começou a produzir máscaras de vários tipos: enfeitadas, com renda, igual para mãe e filha e o que mais pedissem. Até capa pra gaiola de passarinho rolou!

Com mais tempo livre, ela mergulhou nos estudos e fez as atividades do curso com foco na sua marca: criou plano de negócio, planejamento profissional e se surpreendeu com sua capacidade de projetar o próprio futuro. Agora está no módulo Logística e partiu para reformular as embalagens e o tipo de entrega. Mas a maior descoberta é que deseja seguir empreendendo.

Aos poucos, Camila está voltando a receber encomendas de lacinhos, e de outras fofuras que passou a fazer. Isso é só o começo pra quem já está com tudo muito bem planejado. Confere lá no Instagram.

E falando sobre empreender, confira a história da Paulinha, uma empreendedora nata que tem muito a ensinar. Aperte o play!

 

Você também poderá gostar